Senhas: do básico ao trauma

livros2

Uma das coisas mais chatas no nosso tempo é criar senhas que se enquadrem e tais perfis de segurança. Tem gente que coloca sequencia lógicas se letras e números. Outros fazem joguinhos com letras maiúsculas e minúsculas. Eu não sou nenhuma dessas duas pessoas. Apesar de concordar que seria muito mais simples, uma senha para ser decorada facilmente por mim precisam ter lógica.

Às vezes é uma música que cantarolo facilmente, outras é uma referencia a obras que já li (com devidos preços, ano de leitura ou ainda data de edição das respectivas obras e, caso seja de exigência, um símbolo extra. O bom do símbolo é que se a senha for boa, baixa trocar apenas ele, segundo uma sequencia lógica).

Na empresa em que trabalho somos obrigados a mudar a senha acho que a cada dois meses e a senha é enorrrme (letras maiúscula e minúsculas, números e símbolos. Tudo com uma quantidade mínima de caracteres). A minha senha anterior, por exemplo, tinha sido inspirada em Joaquim Nabuco e algumas variações para assim durar meses. A atual é sobre um dos livros que estou lendo ultimamente, Blink, já ouviram falar? É interessante e faz parte de uma fase de leitura que nunca passei. O problema é que a localização do símbolo não foi das melhores e agora terei que conviver com isso nas próximas inúmeras semanas.

Essa má localização faz com que eu erre a senha algumas vezes por dia e, em muitas, de forma consecutiva. É um saco!

De qualquer forma qualquer dia eu volto para falar sobre Blink e o livro anterior, com estilo parecido chamado O ponto de virada. Apenas por curiosidade e por nunca mais ter falado sobre literatura aqui.

Anúncios

2 comentários sobre “Senhas: do básico ao trauma

  1. Meu problema são as senhas dos cartões de crédito. Eu SEMPRE me atrapalho com elas e vivo bloqueando os danados.

    1. E as senhas bancárias? Mexo em dois bancos com senhas parecidas só que eu já consegui bloquear um deles por ter confundido.
      Um mal da modernidade.
      Agora venhamos e convenhamos, existe algo mais prático do que usar o débito do cartão? Impossível!

Os comentários estão desativados.