Não adianta ser magra ou gorda. Ainda estar bem

Estou magrela. Sou hoje o que consideram como falsa magra e ainda sim tenho curvas. Meu biótipo é de cintura fina e meu corpo começa a acumular gordura não na barriga e sim na panturrilha, depois coxa, depois quadril e bunda. Só depois disso os acúmulos vão se mostrando em outras regiões. E hoje peso em torno de 52 quilos para meus 164 cm.

20180310_151334
Short 34 da Toli, um corpo após alguns dias de predinizona de 20 mg e um cropped que mesmo não perfeitinho não resisti e levei. Ta vendo a pilha de roupas ao lado? M não vale a pena experimentar e a metade dos P’s também. Falta foco, falta tudo nesta foto só que para quem não gosta de aparecer em foto e ainda não sabe tirar Selfie, o celular fez bom trabalho 😉

Tenho celulites, estrias, manchas, cicatrizes, flacidez, pelos em demasia e quase tudo isso já me incomodou muito mais no passado do que hoje. Só que vamos nos focar no peso.

Considero meu peso hoje além de influenciado por mais uma restrição alimentar, também foi influenciado por conta de um medicamento de uso contínuo então, teimo em dizer que este é meu peso artificial e que, na verdade, deveria pesar 5 kg a mais. Esta negação durou tanto tempo que só voltei a comprar roupa quando não tinha mais nada e me sentia um saco de batata.

É… Tantas querendo ser magras e eu assustada em ter calça 36 e short 34 (forma grande, dizem).

Conforme ia perdendo roupas eu não corria para comprar novas fui usando como dava. Até hoje, fora este short citado acima e uma saia estampada com florzinha, não preciso fazer uso de botões para tirar as peças de baixo, só quando quero. Mesmo sendo 36 e ficando bem em mim, a cintura de 62 cm ajuda na hora de tirar a roupa.

Quando bateu o estalo e a decisão que eu não precisaria parecer um saco de batata, que isso estava mais fazendo mal do que bem e tinha que comprar roupas eu percebi que eu estava fazendo algo que eu já tinha feito no passado!

Eu já ganhei muito peso do nada antes de ser diagnosticada e tratada com Fibromialgia e tive calças que rasgaram de tanto roçar na coxa. Já tive períodos, como hoje, em que eu só me sentia bem com duas calças e que as demais estavam guardadas no saco a vácuo do corpo de magra (57-58 kg).

Hoje aceito melhor a variação. Consegui ter um armário mínimo descente, apesar de ainda precisar de algumas peças. E reduzi os sacos à vácuo com doações a igrejas e amigas dessas peças que antes eram de magra e hoje são de gorda. Tudo é relativo, não?

Hoje aceito melhor e quero mostrar essas curvas que estou hoje. Curvas que só me senti a vontade para começar a mostrar, ainda com bem mais peso que estou hoje (14 kg a mais), no final de 2015, início de 2016. Por que me esconder? O corpo é meu! É ele que tenho que manter saudável, é dele que tenho que cuidar diariamente (tento) até para também manter a minha mente saudável.

Agora comprar está sendo outra descoberta e com ajuda de amigas. Não sou de comprar roupas ou sapatos. Não gosto de comprar roupa a não ser que seja realmente necessário e/ou eu tenha batido o olho e amado (prefiro gastar dinheiro, quanto este existe, em outros itens) e hoje estou tendo companhia física e/ou online para comprar e decidir o que fica melhor. Nem sempre as sigo, mas aí é outra história. Estou aberta a opiniões, a experimentar só que quando não dá, não dá. Está sendo divertido isso e ainda preciso comprar umas duas peças e voltarei a pedir ajuda a elas. Quando? SDS pq estou lisa (pq lesa e louca acho que sempre fui um pouco).

Obs: A barriga que eu falei? Só me incomoda porque o caimento de algumas peças que eu estava experimentando não estava mto bom, estava abaixo do normal já que sou acostumada até em ter pneuzinho quando mais gorda só que a barriga só por problemas. Nestes casos, a cintura baixa do short me agrada mais.